Boletim Diário AHRESP (BDA 238) – 10.03.2021

 

INFORMAÇÕES E ESCLARECIMENTOS

Trabalhadores em desemprego involuntário podem aceder ao Apoio Extraordinário ao Rendimento dos Trabalhadores

Os trabalhadores que se encontrem em situação de desemprego involuntário desde 2020, ou que tenham terminado prestações de desemprego em 2020, podem aceder ao Apoio Extraordinário ao Rendimento dos Trabalhadores (AERT), sem terem atividade aberta como trabalhador independente.

Entre outros, estão abrangidos os trabalhadores por conta de outrem e os membros de órgãos estatutários, desde que tenham, pelo menos, três meses de contribuições nos 12 meses imediatamente anteriores à situação de desemprego.

O pedido referente ao mês de fevereiro deve ser feito até ao dia 15 de março na Segurança Social Direta. O pedido referente ao mês de janeiro pode ser feito entre os dias 22 e 28 de março, igualmente através da Segurança Social Direta.  Saiba mais aqui

 

Redução do PIB português acima da média europeia

Segundo dados da Eurostat, no 4º trimestre de 2020 o PIB português caiu 6,1%, comparativamente ao 4º trimestre de 2019, queda muito superior à registada na União Europeia (-4,6%).

Esta é das maiores reduções homólogas do PIB registadas nos países da União Europeia. Saiba mais aqui

 

Insolvências na Hotelaria e Restauração duplicam em fevereiro

Um estudo da Iberinform indica que as insolvências registaram um aumento de 32% em fevereiro, com um total de 514 empresas insolventes, mais 124 que no período homólogo de 2020.

O seu valor acumulado apresenta-se superior a 2018 (+6,8%), 2019 (+25,3%) e 2020 (+22,4%), totalizando 1.040 insolvências. Lisboa e Porto são os distritos com o valor de insolvências mais elevado.

Por setores de atividade, os principais aumentos -assinalam-se nas áreas da Eletricidade, Gás, Água (+150%) e Hotelaria e Restauração (+104,8%). Consulte aqui o estudo

 

Inquérito IATA

O mais recente inquérito a passageiros, realizado pela IATA (International Air Transport Association) e divulgado ontem, revelou que existe uma confiança crescente no regresso ao transporte aéreo, alguma frustração com as restrições às viagens e aceitação relativamente a uma app que possa gerir as credenciais para viajar.

Entre os resultados do inquérito da IATA, destaque para as seguintes informações:

  • 88% acreditam que, com a abertura de fronteiras, deverá haver um equilíbrio entre a gestão dos riscos por COVID e o relançamento da economia;
  • 85% acreditam que os governos devem amplificar a capacidade de testagem e a distribuição da vacina para reabrir fronteiras;
  • 84% creem que o COVID-19 não vai desaparecer e que, para se voltar a viajar normalmente, terá de se aprender a gerir os seus riscos;
  • 84% dizem não querer viajar se tiver de existir quarentena no país de destino;
  • 81% pretendem viajar apenas quando forem vacinados;
  • 89% acreditam que os governos devem standardizar os certificados de vacinas e testagem;
  • 57% esperam poder viajar dois meses depois da pandemia ser controlada (face a 49% em setembro de 2020). Consulte o inquérito aqui

 

OCDE apela à importância dos apoios públicos na recuperação das economias

O mais recente Interim Economic Outlook, da OCDE, realça a importância da rápida implementação de medidas de apoio público e da manutenção do apoio às pessoas e às empresas mais duramente atingidas pela pandemia.

O relatório refere que o apoio fornecido pelos governos para preservar empregos e empresas é vital para uma recuperação sustentável, devendo permanecer em vigor enquanto as economias ainda estão frágeis e afetadas por medidas de contenção. No cenário central da OCDE, o elevado pacote de estímulos à economia concedido pelos Estados Unidos será refletido no crescimento do país, que é projetado em 6,5% em 2021.

Já na zona euro, a OCDE realça que os apoios públicos são inferiores, o que causa um crescimento mais lento do PIB, que se estima ser de 3,9% em 2021.

É importante que as medidas de apoio dos governos europeus sejam ajustadas às necessidades das economias, para que a recuperação e o crescimento das mesmas não fiquem condicionados por insuficiência de fundos.

A prioridade deve ser concedida às empresas dos setores mais afetados, como é o caso da restauração e do alojamento turístico, que devem ter um papel central nos planos de recuperação europeus. Saiba mais aqui

Medidas ahresp

Terceira fase de apoios da Câmara Municipal de Lisboa

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa anunciou ontem a abertura de uma terceira fase de apoios às empresas que mais têm sofrido com a pandemia.

A AHRESP, que tem vindo a contactar dezenas de autarquias nos últimos meses, às quais apresentou várias propostas de medidas para as empresas de Alojamento Turístico e da Restauração e Similares, aplaude esta iniciativa da Câmara de Lisboa, que vai ao encontro do que vinha a ser solicitado pela AHRESP.

As medidas que têm vindo a ser apresentadas pelas autarquias estão disponíveis aqui

Artigos Relacionados

SEJA ASSOCIADO AHRESP