Boletim Diário AHRESP (BDA 176) – 09.12.2020

Informações e Esclarecimentos

 

Inquéritos AHRESP

A AHRESP realizou os seus Inquéritos de monitorização às empresas do alojamento turístico e das empresas da restauração e bebidas relativos ao mês de novembro, que decorreram entre o dia 30 de novembro e 7 de dezembro de 2020.

Restauração e Bebidas – Principais conclusões:

Faturação:
  • Cerca de 56% das empresas registaram uma quebra superior a 60% na faturação de novembro, face ao mês homólogo;
  • Para os próximos 3 meses (dezembro a fevereiro) mais de 61% das empresas estimam uma quebra de faturação acima de 50%, comparado com o período homólogo;
  • Em dezembro, face às estimativas de faturação, mais de 51% das empresas não irá conseguir suportar os encargos habituais (pessoal, energia, fornecedores e outros);
  • Mais de 40% das empresas pondera avançar para insolvência, caso não consigam suportar todos os encargos.
Salários e Emprego:
  • Cerca de 16% das empresas não conseguiu pagar salários em novembro, e 15% apenas pagou uma parte;
  • Desde o início do estado de emergência, 46% das empresas efetuaram despedimentos. Destas, mais de 30% reduziram o quadro de pessoal entre 25% e 50% e 17% reduziram em mais de 50% os seus postos de trabalho;
  • Cerca de 17% das empresas assume que não vai conseguir manter todos os postos de trabalho até ao final do ano.
Rendas:
  • 78% das empresas exploram os seus negócios em espaços arrendados;
  • Destas, 62% já tentaram reduzir o valor da renda, sendo que 65% dos senhorios não aceitou a redução do mesmo;
  • Perante esta situação, em que a renda representa mais que 20% dos custos para 69% das empresas, 45% dos arrendatários já estão com rendas em atraso (mais de 65% já tem 3 ou mais meses de renda em atraso).
Programa Apoiar:
  • À data de preenchimento do inquérito, 46% das empresas referiram não ter apresentado candidatura;
  • Destas, 41% indicam que não são elegíveis;
  • Mais de 48% das empresas refere que, caso não recebam o incentivo a fundo perdido, nos próximos 2 meses não dispõem de tesouraria para manter os negócios.

 

Alojamento Turístico – Principais conclusões:

Faturação:
  • Cerca de 49% das empresas registaram uma quebra superior a 90% na faturação de novembro, face ao mês homólogo;
  • Para os próximos 3 meses (dezembro a fevereiro) cerca de 64% das empresas estimam uma quebra de faturação acima de 75%, comparado com o período homólogo.
  • Em dezembro, face às estimativas de faturação, 31% das empresas não irá conseguir suportar os encargos habituais (pessoal, energia, fornecedores e outros);
  • Mais de 18% das empresas pondera avançar para insolvência, caso não consigam suportar todos os encargos.
Ocupação:
  • Em novembro, cerca de 39% das empresas não registou qualquer ocupação, e mais de 32% indicou uma ocupação até 10%;
  • Mais de 47% indicou que a taxa de ocupação de novembro registou uma quebra superior a 90% face ao período homólogo (novembro 2019);
  • Para o mês de dezembro, mais de 45% das empresas estimam uma taxa de ocupação zero, e mais de 32% das empresas perspetivam uma ocupação máxima de 10%;
  • Para os meses de janeiro e fevereiro a estimativa de ocupação zero agrava-se substancialmente, sendo referida por cerca de 57% das empresas.
Salários e Emprego:
  • Mais de 25% das empresas não conseguiu pagar salários em novembro, e 9% apenas pagou uma parte;
  • Desde o início do estado de emergência, 28% das empresas efetuaram despedimentos. Destas, mais de 33% reduziram o quadro de pessoal entre 25% e 50% e cerca de 27% reduziram em mais de 50% os seus postos de trabalho;
  • Mais de 14% das empresas assume que não vai conseguir manter todos os postos de trabalho até ao final do ano.
Rendas:
  • 29% das empresas exploram os seus negócios em espaços arrendados;
  • Destas, 54% já tentaram reduzir o valor da renda, sendo que 64% dos senhorios não aceitou a redução do mesmo;
  • Perante esta situação, em que a renda representa mais que 20% dos custos para 65% das empresas, 42% dos arrendatários já estão com rendas em atraso (mais de 60% já tem 5 ou mais meses de renda em atraso).
Programa Apoiar:
  • À data de preenchimento do inquérito, 65% das empresas referiram não ter apresentado candidatura;
  • 35% das empresas que não apresentaram candidatura, indicam que estão impedidas, pois estão enquadradas no regime simplificado de contabilidade;
  • Cerca de 32% das empresas refere que, caso não recebam o incentivo a fundo perdido, nos próximos 2 meses não dispõem de tesouraria para manter os negócios.

Consulte o estudo completo aqui

 

Novo período do estado de emergência tem hoje início

Começam hoje as regras relativas ao novo Estado de Emergência, que vigoram até ao dia 23 de dezembro.

No essencial, mantêm-se inalteradas as regras para os quatro níveis existentes, de acordo com o respetivo risco pandémico (moderado/elevado/muito elevado e extremo), mas altera-se a lista de concelhos que os integram.

Nos concelhos de risco elevado/muito elevado e extremo mantém-se a proibição de circulação na via pública entre as 23h e as 05h00 durante a semana e, nos concelhos de risco muito elevado e extremo aos fins-de-semana, entre as 13h00 e as 05h00, sendo necessário para os trabalhadores estarem munidos de declarações para irem trabalhar.

A AHRESP disponibiliza estas minutas em exclusivo para os seus associados. Para aceder, consulte esta página.

 

Governo Regional dos Açores apresentou programa 

O novo Governo Regional dos Açores apresentou o seu programa e entre os desafios de interesse estratégico está o turismo. “A retoma do turismo no pós-Covid tem de ser devidamente preparada, utilizando este sector para alavancar a restante economia.

Para tal, teremos uma política de transportes eficiente e eficaz, com maior regularidade, previsibilidade e estabilidade, garantindo as condições necessárias à melhoria da mobilidade dos Açorianos, mas também à promoção de um verdadeiro mercado interno”.

Para ver o programa completo, clique aqui.

 

Prolongada cerca sanitária em Rabo de Peixe

A cerca sanitária determinada para a freguesia de Rabo de Peixe foi prolongada até ao próximo domingo, dia 13 de dezembro, consequência do elevado potencial de transmissão comunitária ativa.

Nessa sequência, e para além da proibição da circulação na via pública, foi determinado o encerramento de todos os estabelecimentos de restauração, bares e outros estabelecimentos de bebidas, com ou sem espetáculo e com ou sem serviço de esplanada que, não obstante, poderão manter a respetiva atividade, total ou parcialmente, para efeitos de confeção destinada a consumo fora do estabelecimento ou entrega no domicílio, diretamente ou através de intermediário (take-away e delivery). Consulte aqui o decreto.

 

Açores mantém obrigatoriedade de testes à COVID-19

Atendendo à evolução da situação epid.emiológica na Região Autónoma dos Açores, às especificidades do Serviço Regional de Saúde e ao facto de a acessibilidade ao território regional se fazer exclusivamente por via aérea e por via marítima, o Governo Regional deliberou, ao abrigo do Estado de Emergência, a manutenção da obrigatoriedade de apresentação de teste negativo à COVID-19, realizado nas 72 horas anteriores ao embarque.

Desta obrigatoriedade continuam excluídas as crianças com idade igual ou inferior a 12 anos. Mais informação aqui.

Medidas ahresp

Reunião de trabalho com o Ministro da Economia e Secretária de Estado do Turismo

A AHRESP integrou a delegação da Confederação do Turismo de Portugal numa reunião que teve lugar a semana passada com o Ministro da Economia e a Secretária de Estado do Turismo.

Em cima da mesa estiveram os temas que mais afetam os nossos setores, tendo a AHRESP insistido em várias propostas, nomeadamente a necessidade de reforçar os apoios à liquidez das empresas através de um mecanismo a fundo perdido para todos os regimes de contabilidade, incluindo o regime simplificado, proteção do emprego através de instrumentos simplificados por forma a facilitar o seu acesso e apoio às rendas comerciais.

O Ministro da Economia comprometeu-se a anunciar publicamente muito em breve , com a presença dos parceiros sociais, as medidas que o governo vier a decidir em função das propostas apresentadas pelas associações presentes nesta reunião o que aguardamos com expetativa.

 

Candidaturas a apoios da Câmara Municipal de Lisboa já disponíveis

Encontra-se a decorrer o período de apresentação de candidaturas para os apoios a fundo perdido da Câmara Municipal de Lisboa (que variam entre 4 mil e 8 mil euros), disponibilizados ao abrigo do programa Lisboa Protege que a AHRESP aplaude.

Podem candidatar-se as empresas com volume de negócios até 500 mil euros em 2019 e com uma quebra de faturação superior a 25% nos primeiros 9 meses de 2020, face ao período homólogo.

Contudo, a AHRESP já alertou a Câmara Municipal de Lisboa para a exclusão de muitos empresários que optaram legitimamente pelo regime simplificado, dado ser obrigatório possuírem contabilidade organizada, situação que esperamos poder ser revertida a curto prazo. Saiba mais sobre o programa aqui.

Artigos Relacionados

SEJA ASSOCIADO AHRESP